15 de julho, 2024

A importância de Sketches of Spain na carreira de Miles Davis

Vamos voltar o reloginho até 1960, quando Miles Davis e o arranjador Gil Evans lançaram Sketches of Spain, um álbum que viria a se tornar um clássico do jazz, o terceiro projeto conjunto da dupla que é um marco na carreira de Davis, catapultando-o do mundo do jazz para o mainstream.

O álbum é uma exploração de sonoridades espanholas, com Davis interpretando melodias tradicionais daquele país com seu altamente reconhecível som de trompete: comprimido e solitário, combinando perfeitamente com os arranjos de Evans, que eram ricos e coloridos.

Sketches of Spain foi um sucesso comercial e de crítica. O álbum alcançou o número 13 nas paradas da Billboard, e ganhou um Grammy de Melhor Álbum de Jazz Instrumental. Isso, amigos e amigas, é muita coisa!

O álbum foi elogiado por sua inovação e beleza. Os críticos elogiaram o som único de Davis e os arranjos de Evans, fazendo com que Sketches of Spain se tornasse um dos álbuns mais importantes da história do jazz, um verdadeiro exemplo de como o jazz pode ser inovador e acessível ao mesmo tempo.

Dentre os destaques, Solea explora uma melodia tradicional espanhola com o solo de Davis sendo considerado um dos mais belos de sua carreira. Saeta é uma peça religiosa espanhola com arranjo de Evans atmosférico e muito evocativo enquanto Flamenco Sketches, a peça mais longa do álbum, é complexa ao usar vários estilos musicais espanhóis. Em sua autobiografia, Miles explicou o paradoxo que está no cerne de Sketches of Spain .

“Você tem todas aquelas escalas de música árabe ali, escalas negras africanas que você pode ouvir. . . tinha um pouco da mesma coisa, o mesmo tipo de voz que toquei no trompete em “Solea” [em Sketches of Spain ]. “Solea” é uma forma básica de flamenco. . . É próximo do sentimento negro americano no blues. Vem da Andaluzia, por isso tem origem africana.”

As raízes de Sketches of Spain vêm de múltiplas fontes: a faixa “Flamenco Sketches” de seu antecessor imediato, Kind of Blue, muito influenciada por este sabor ibérico do modo frígio empregado na melodia.

George Avakian, que produziu Miles, deu o toque para Gil Evans sobre um conjunto de gravações de flamenco na esperança de que isso pudesse inspirar o arranjador. O próprio Miles deu crédito à atriz Beverly Bentley, responsável por mostrar o Concierto De Aranjuez, de Joaquin Rodrigo, e também um concerto de flamenco ao qual sua esposa, Frances Taylor, o havia levado.

O resultado: um disco majestoso e misterioso.

Gil Evans foi um mestre da arte do arranjo. Ele tinha um talento especial para criar texturas e sonoridades ricas e complexas. Evans usou suas habilidades para criar um cenário perfeito para o som maduro do trompete de Miles Davis.

Evans começou desmontando as melodias tradicionais espanholas que ele usou no álbum. Ele então as reorganizou e as transformou em algo novo e único. O resultado foi um som que era, ao mesmo tempo, familiar e exótico.

Além das melodias tradicionais, Evans também incorporou elementos de outras fontes musicais em Sketches of Spain. Ele pegou emprestado “Will O’ The Wisp” do balé cigano El Amor Brujo de Manuel de Falla. Ele também adaptou três músicas folclóricas originalmente gravadas por Alan Lomax: uma ária de flauta de pã galega “The Pan Piper”, uma melodia andaluza “Solea” e o canto ritual “Saeta”.

As sessões de gravação do álbum foram um esforço desumano que durou de novembro de 1959 a março de 1960. Os ensaios se seguiram aos ensaios, com Evans exercendo uma abordagem exigente para cada passagem. A certa altura, um tocador de tuba atrasou o processo ouvindo um jogo de beisebol em seu rádio portátil.

O lado oposto ao sensacional Kind of Blue

O disco foi o contraponto perfeito da abordagem espontânea e única de Kind of Blue. A leveza da sessão anterior, evidente na jovial conversa de estúdio de Miles, desapareceu quando confrontado com o perfeccionismo de Evans, assim como o do produtor Teo Macero, dirigindo uma sessão de Davis pela primeira vez.

O disco consumiu muito do gênio. Tanto que após a última das três sessões, que terminou em março de 1960, Miles – que não havia abreviado sua turnê, tocando dentro e fora de Nova York entre as datas de gravação – declarou:

“Depois que terminamos de trabalhar em Sketches of Spain, eu não tinha mais nada dentro de mim. Fiquei esgotado de todas as emoções…”

Um disco genial e básico!

Aroldo Antonio Glomb Junior é jornalista e Athleticano

Sobre o colunista

Aroldo Glomb

Jornalista formado. Podcaster. Conhecido no meio da música como “Dr. Rock”.

Compartilhe

outros conteúdos

Who Do We Think We Are, a brilhante e desconhecida despedida da MKII do Deep Purple
Precisamos falar sobre Hot Space, do Queen, não é mesmo?
Mike Oldfield, com 19 anos, desbancou todo mundo em 1973 com Tubular Bells
Vale a pena ouvir Exercices (1972), do Nazareth?
Lay Down, Stay Down: uma história de desejo sob a ótica do Deep Purple
Vinil, CD ou Streaming: é a desordem que atrapalha a felicidade musical