16 de junho, 2024

Who Do We Think We Are, a brilhante e desconhecida despedida da MKII do Deep Purple

A edição Mark II do Deep Purple é amplamente reconhecida como a última formação emblemática dos lendários hard rockers. Composta pelo vocalista Ian Gillan, o guitarrista Ritchie Blackmore, o baixista Roger Glover, o tecladista Jon Lord e o baterista Ian Paice, este grupo foi responsável por alguns dos álbuns e canções mais icônicas do grupo britânico, como “In Rock” e “Machine Head”, bem como sucessos como “Smoke on the Water” e “Highway Star”. Essa formação pode ser considerada a mais marcante e produtiva da história do Deep Purple.

Entre 1970 e 1973, esses cinco músicos talentosos gravaram quatro álbuns de estúdio, lançaram o clássico álbum ao vivo duplo “Made in Japan” e ainda lançaram dois singles que não faziam parte de nenhum álbum oficial, como “Black Night” e “Strange King of Woman”. Durante esse período, a banda realizou intensas turnês pela Europa, América do Norte e Ásia, com seus shows lotando arenas e conquistando cada vez mais fãs ao redor do mundo. Os empresários da banda, Tony Edwards e John Coletta, vislumbraram manter e expandir essa crescente popularidade.

Com o objetivo de continuar capitalizando em sua fama, o Deep Purple utilizou o caminhão de gravação móvel dos Rolling Stones – o mesmo usado para gravar o aclamado álbum “Machine Head” na Suíça – para iniciar as sessões de um novo álbum em julho, durante uma pausa em sua agenda de turnês em Roma.

No entanto, as sessões de gravação em meio ao desgaste da extensa turnê e problemas de saúde levaram a uma produção criativa desafiadora. A banda, especialmente o vocalista Ian Gillan, sentiu a pressão para concluir o álbum dentro do prazo estipulado, em vez de tirar uma merecida pausa para recarregar as energias. As tensões entre os membros, principalmente entre Blackmore e Gillan, tornaram-se mais evidentes e prejudicaram o processo criativo e a dinâmica de grupo.

Mesmo tentando redescobrir suas raízes no blues e explorar novos sons, as diferenças criativas e pessoais entre os membros do Deep Purple se intensificaram. A falta de comunicação e a divergência de ideias contribuíram para um ambiente tenso e fragmentado durante as gravações do álbum.

Em vez de colaborar de forma harmoniosa, a banda optou por gravar suas partes separadamente, o que resultou em um álbum final que carecia da química e energia que eram tão palpáveis em suas performances ao vivo, como evidenciado pelo icônico álbum “Made in Japan”.

Com o lançamento de seu sétimo álbum de estúdio, “Who Do We Think We Are”, em janeiro de 1973, o Deep Purple refletiu a agitação interna do grupo. O título do álbum era uma referência irônica a uma crítica recebida pela banda, destacando a crescente antipatia e incompreensão voltada para eles.

 

Apesar dos desafios enfrentados durante a gravação do álbum e as tensões internas, o Deep Purple continuou a deixar sua marca na história da música, com músicas icônicas que perduram até os dias atuais. A contribuição da edição Mark II para a história do rock é inegável, mesmo diante dos conflitos e obstáculos enfrentados pelo grupo durante esse período turbulento de sua carreira.

Aroldo Glomb fez um vídeo no Antigas Novidades!

 

Sobre o colunista

Aroldo Glomb

Jornalista formado. Podcaster. Conhecido no meio da música como “Dr. Rock”.

Compartilhe

outros conteúdos

Precisamos falar sobre Hot Space, do Queen, não é mesmo?
Mike Oldfield, com 19 anos, desbancou todo mundo em 1973 com Tubular Bells
Vale a pena ouvir Exercices (1972), do Nazareth?
Lay Down, Stay Down: uma história de desejo sob a ótica do Deep Purple
Vinil, CD ou Streaming: é a desordem que atrapalha a felicidade musical
Quem é o “tolo pela cidade” do Foghat?