23 de junho, 2024

Hackney Diamonds: os Rolling Stones ainda fazem o puro rock ‘n’ roll

Com o lançamento de “Hackney Diamonds”, seu 24º álbum de estúdio, os Rolling Stones deixam claro que ainda têm o que é preciso para fazer um grande rock ‘n’ roll. E com propriedade, sobrando classe!

São 12 faixas que celebram o legado da banda, com um toque moderno e fresco desde o começo com “Angry”, um single pesado que é uma declaração de força e determinação. A faixa é uma das melhores do álbum, com um riff de guitarra forte e uma letra contundente.

Existem outros destaques, como a dançante “Get Close” e sua melodia contagiante com Elton John nos teclados, que adiciona um toque de classe.

“Bite My Head Off” é uma faixa mais agressiva, com um riff de guitarra raivoso e uma letra cheia de raiva. A faixa conta com a participação de Paul McCartney no baixo, que adiciona um toque de peso. O lado punk dos Stones? Talvez…

“Sweet Sounds of Heaven” é uma balada épica que mostra o lado mais suave dos Stones. A faixa conta com a participação de Lady Gaga, que entrega uma performance vocal poderosa. Já nasceu clássica!

O álbum também inclui participações especiais de outros artistas, como Steve Winwood, Sheryl Crow e Brandi Carlile. No entanto, mesmo sem essas participações, “Hackney Diamonds” seria um álbum forte.

Com “Hackney Diamonds”, os Rolling Stones mostram que ainda são uma força a ser reconhecida.

Mesmo sem o Charlie Watts, baterista que é uma pedra fundamental dos Rolling Stones, que morreu aos 80 em 2021, a banda ainda tem poder.

O álbum é uma despedida digna para uma das maiores bandas de rock de todos os tempos? Ou será que teremos mais alguma coisa guardada?

Vamos descobrir em breve, mas até lá vale ouvir nosso programa sobre o disco com a participação especial da Adriana Maraviglia, jornalista da Revista Eletricidade

Aroldo Antonio Glomb Junior é jornalista e Athleticano

Sobre o colunista

Aroldo Glomb

Jornalista formado. Podcaster. Conhecido no meio da música como “Dr. Rock”.

Compartilhe

outros conteúdos

Who Do We Think We Are, a brilhante e desconhecida despedida da MKII do Deep Purple
Precisamos falar sobre Hot Space, do Queen, não é mesmo?
Mike Oldfield, com 19 anos, desbancou todo mundo em 1973 com Tubular Bells
Vale a pena ouvir Exercices (1972), do Nazareth?
Lay Down, Stay Down: uma história de desejo sob a ótica do Deep Purple
Vinil, CD ou Streaming: é a desordem que atrapalha a felicidade musical