21 de junho, 2024

Mestre Jonas: uma canção que desafia o conformismo e celebra a liberdade

O rock rural é um gênero musical que surgiu no Brasil na década de 1970, misturando elementos do rock, do folk e da música caipira. Um dos expoentes desse gênero foi o trio Sá, Rodrix e Guarabyra, que lançou em 1973 o seu segundo álbum, Terra. Nesse disco, uma das faixas se destaca como um clássico do rock rural e da música brasileira: “Mestre Jonas”.

A canção conta a história de um homem que vive em uma baleia por vontade própria, alegando estar comprometido com um papel que o mantém preso até o fim da vida. A letra é uma metáfora para a situação de muitas pessoas que se acomodam em uma rotina confortável, mas limitada, e que não se arriscam a explorar o mundo e a buscar novas experiências.

A música pode ser interpretada de várias formas, dependendo do contexto e da perspectiva do ouvinte. Uma delas é a de que a canção fala sobre o casamento, visto como uma instituição que aprisiona o indivíduo e o impede de viver outras possibilidades de amor. Essa leitura se aproxima da de outra música famosa da época, “Medo Da Chuva”, de Raul Seixas, que também questiona o juramento de amor eterno e a felicidade conjugal.

Outra forma de entender a música é a de que ela fala sobre o conformismo social, político e cultural, que faz com que as pessoas aceitem passivamente as regras impostas pela sociedade e não lutem por seus ideais e sonhos.

Podemos relacionar essa interpretação com o contexto histórico do Brasil na década de 1970, marcado pela ditadura militar, pela censura, mortes aleatórias e muita repressão. Nesse sentido, a música é um convite à rebeldia e à resistência, incentivando o ouvinte a sair da baleia e a enfrentar os desafios da realidade.

Uma terceira forma de interpretar a música é a de que ela fala sobre o processo de autoconhecimento e de libertação pessoal, que exige coragem e disposição para romper com os padrões e as convenções estabelecidos, tal qual acontece na simbologia do arcano do Louco no Tarot, que representa o início de uma jornada de aventura e de descoberta, sem medo do desconhecido e sem se prender ao passado.

Ao seguir esta linha de análise, “Mestre Jonas” é criatividade pura e originalidade sem tamanho capaz de estimular quem ouve a seguir o seu próprio caminho e a expressar a sua essência.

Independentemente da forma como é interpretada, “Mestre Jonas” é uma canção que desafia o conformismo e celebra a liberdade, tanto em sua letra quanto em sua melodia.

A música combina elementos do rock, do country e da música caipira, criando uma sonoridade única e original, que caracteriza o estilo do trio Sá, Rodrix e Guarabyra. A música também conta com a participação especial de Hermeto Pascoal, que toca flauta e faz sons vocais, acrescentando uma atmosfera lúdica e irreverente à canção.

Mestre Jonas é uma das nove faixas do álbum Terra, que é considerado um dos melhores discos do rock rural e da música brasileira. O álbum traz outras canções memoráveis, como “Os Anos 60”, “Blue Riviera”, “Pindurado No Vapor” e “O Pó Da Estrada”, que formam uma trilogia sobre a vida na estrada.

O álbum também marca a despedida do trio, que se separou em 1973 e só se reuniu novamente em 2001. Terra é um álbum essencial para quem aprecia o rock rural e a música brasileira, e “Mestre Jonas” é uma canção que continua atual e inspiradora, mesmo depois de quase 50 anos de seu lançamento.

Veja o documentáio sobre o mestre Zé Rodrix!

Aroldo Antonio Glomb Junior é jornalista e Athleticano!

Sobre o colunista

Aroldo Glomb

Jornalista formado. Podcaster. Conhecido no meio da música como “Dr. Rock”.

Compartilhe

outros conteúdos

Who Do We Think We Are, a brilhante e desconhecida despedida da MKII do Deep Purple
Precisamos falar sobre Hot Space, do Queen, não é mesmo?
Mike Oldfield, com 19 anos, desbancou todo mundo em 1973 com Tubular Bells
Vale a pena ouvir Exercices (1972), do Nazareth?
Lay Down, Stay Down: uma história de desejo sob a ótica do Deep Purple
Vinil, CD ou Streaming: é a desordem que atrapalha a felicidade musical