14 de junho, 2024

E se você sumir do seu celular?

No ônibus? Celular.
Na fila? Celular.
No banheiro? Celular.

Alguns são tão “viciados” em celular que não abandonam o aparelho nem mesmo no número 1, nem lavar a mão, lavam. Achou pouco higiênico? É bem mais comum do que possa parecer. No Brasil, o número de aparelhos celulares alcança 114% da população (evidentemente algumas pessoas têm mais de um aparelho) e com a popularização da internet, o senso de urgência ganhou outros contornos.

As pessoas ganharam a impressão de que elas são insubstituíveis. De que se deixarem de ver uma mensagem, demorarem a responder, o mundo “vai acabar”.

Não vai.

E a pergunta: se você perder o seu celular hoje, como será? A pergunta é retórica porque eu mesmo respondo: nada. O mundo não depende da sua existência. O mundo será exatamente o mesmo. Vai continuar a girar. As pessoas vão continuar a nascer e a morrer. O trabalho continuará sendo feito.

Com isso estou dizendo que não fazemos falta? Não.
Estou dizendo que a sua presença 24 horas por dia no celular não faz.

Mas qual é o principal problema de usar a ferramenta? Nenhum. O problema é que tornamos o celular, nossa vida e deixamos literalmente de viver a realidade e vive em função de outro, que também vive em função de outro…

Quantas vezes você vai em uma festa, jogo de futebol, cinema e até mesmo reuniões de trabalho ou aulas e a pessoa está ali, imersa no celular, perdendo toda a realidade que a cerca. Deixando de viver coisas que poderiam ser extremamente prazerosas e até mesmo mudar a sua vida, mas não… o feed das redes sociais era mais importante.

Pode estar sendo utópico? Claro. Talvez essa realidade esteja sendo imposta e não há o que se fazer, mas atenção: o mundo é feito de etapas. É preciso separar. O tempo da família. O tempo do celular é o tempo do celular. O tempo do trabalho é o tempo do trabalho.

Esteja presente.
Seja presente.
De mente e corpo e não só corpo.
Se reúna.

Se você demorar para responder uma mensagem, nada vai acontecer.
Se for realmente importante, alguém usará aquela técnica arcaica da ligação e você será acionado.

Tempo não é negociável.
Não pode ser comprado.
Não dê, algo que nem pode ser comprado.

Sobre o colunista

Ediney Giordani

Jornalista, xoxial mídia, blogueiro, podcasteiro, escrevinhador de livros, pagador de promessas e impostos. Chão de Fábrica na KAKOI Comunicação.

Compartilhe

outros conteúdos

Será que existe uma conspiração interplanetária para você se dar mal?
Você se compromete com aquilo que promete?
Será que existe mesmo a árvore dos problemas?
Que vê stories não vê corre.
Será que é verdade que ser bonzinho é ruim pra nossa vida?
Convite para o homem mais poderoso do mundo conhecido